Pesquisa Video Viewers: como os brasileiros estão consumindo vídeos em 2018

Espalhe

Ler próximo artigo:

"Black Friday vs. Natal: entenda as diferenças entre as datas da Temporada"

Ler artigo anterior:

"Saia da bolha e descubra um público maior do que você imagina"

Em Google | 0 comentários

Como o brasileiro assiste aos seus vídeos preferidos? Ele prefere usar smartphone ou a tela grande? Ele tem visto mais ou menos TV? O que as pessoas preferem: novelas, notícias, esportes, música ou vídeos de gatinhos na web? E o que motiva as pessoas a irem atrás de todo esse conteúdo?

É a essas perguntas que a Pesquisa Video Viewers, já no seu quinto ano, busca responder. Realizada em parceria com o Instituto Provokers e com a Box 1824, a pesquisa analisa o comportamento dos brasileiros quando apertam o play ou ligam seu aparelho de TV, e tenta entender como as diferentes plataformas e tipos de conteúdo ajudam a transformar os hábitos das pessoas quando assistem a vídeos.

Em 2018, o levantamento1 reforça a posição do YouTube como um dos personagens principais na consolidação dessas novas tendências no consumo de vídeo. Além disso, pela primeira vez desde que a pesquisa começou a ser realizada, investigamos as motivações que levam os brasileiros a procurar os diferentes tipos de conteúdo, e como a escolha de certos players, aparelhos e plataformas ajuda a determinar a maneira como esses vídeos são consumidos.

O tempo que o brasileiro dedica assistindo a vídeos só aumenta desde 2014, quando a pesquisa Video Viewers começou a ser feita. E os números mostram principalmente que o consumo de vídeos online cresce num ritmo bem maior que o da TV.

Essas mudanças que vemos nos hábitos do brasileiro, assistindo cada vez mais a vídeos online, estão ligadas ao peso do YouTube, que trouxe uma nova forma de consumir esse tipo de conteúdo, levando as pessoas a serem mais ativas e a se empoderarem.

Outro resultado das novas tecnologias: assistir à TV é algo que as pessoas fazem em paralelo a outras coisas (usar o celular como “segunda tela”, por exemplo).

E onde as pessoas preferem ver seus vídeos? Assim como nos anos anteriores, a pesquisa mostra que a grande maioria dos brasileiros usa o smartphone para assistir a vídeos online. Além disso, ela indica um crescimento vertiginoso no uso das smart TVs, que praticamente triplicou de 2017 até agora (um aumento que pode ser parcialmente explicado pela Copa do Mundo da Rússia).

O YouTube entrou de vez na vida do brasileiro. A pesquisa Video Viewers mostra que ele é o campeão da preferência das pessoas para assistir a vídeos, além de ser o 2º maior destino para o consumo desse formato no país, ficando apenas 3 pontos percentuais atrás da líder, a TV Globo. O YouTube já é maior, segundo o levantamento, que os demais canais de TV aberta somados em número de vídeos assistidos.

As pessoas também reconhecem o YouTube como um lugar onde se encontra de tudo, em que as principais tendências aparecem primeiro e que traz aquilo que todo o mundo está de olho.

A maior novidade na Video Viewers em 2018 é a busca por entender o que leva as pessoas a consumir vídeo no Brasil. Esse trabalho parte de um levantamento qualitativo conduzido pela Box 1824 e pelo Google que, em uma segunda etapa (conduzida pela Provokers), procurou entender o consumo de mais de 8000 vídeos assistidos pelos entrevistados nos dias anteriores à pesquisa. A partir daí, foram levantados quatro grupos principais de motivações, que têm diferentes maneiras de se expressar pelas ações e intenções de quem assiste aos vários tipos de conteúdo.

Quando prestamos atenção em que canais e plataformas têm a maior proporção de vídeos assistidos em cada motivação, vemos o YouTube e a TV Globo dividindo as primeiras posições em todas as necessidades.

Se analisarmos a relação entre os tipos de players e motivação, vemos que a TV aberta tem o Entretenimento como maior drive, seguido pelo Conhecimento. Já os canais online apresentam diferentes motivações entre si: o YouTube, por exemplo, mostra um protagonismo em Entretenimento, Conhecimento e Identidade.

Fonte: Maria Helena Marinho, Think with Google  

Deixe uma resposta

Tags Permitidas

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Siga-nos