Tendências do consumidor: 4 dicas para seu negócio

Hoje em dia só se fala em gatilhos mentais e emocionais, como modo de influenciar  o consumidor a tomar decisões.

Contudo, quem trabalha seriamente com marketing sabe que isso não basta para conquistar as pessoas, não no médio e longo prazo.

Além do mais, sem compreender a fundo as motivações do seu público-alvo, bem como suas expectativas e até os seus sonhos, certamente vai ficar muito difícil empreender ações e campanhas que tragam um resultado positivo.

Por exemplo, se a empresa trabalha com instalação de ar condicionado, não basta entender tecnicamente a área e ter um serviço de excelência, embora isso ajude muito. 

Também é preciso dominar alguns aspectos essenciais de marketing, entre eles este.

Portanto, o de compreender a fundo as tendências do consumidor atual, tanto no seu sentido macro, que lida com as mudanças culturais das últimas gerações, quanto no sentido micro, que diz respeito aos perfis do seu público em específico.

Enquanto isso, ainda há empresas brasileiras que ignoram até mesmo a importância da internet, conforme pesquisa da Abranet, que revelou que menos de 40% das empresas nacionais têm website próprio, o que é um número muito ruim.

Imagine que uma escola se proponha a oferecer cursos profissionalizantes no mercado de trabalho. 

Para atrair alunos, ela precisará estar onde eles estão, aparecendo para as pessoas certas, na hora certa e do jeito certo.

Esse sempre foi o espírito do marketing e da publicidade, sendo que hoje esse lugar é, sem sombra de dúvida, a esfera digital. 

Por mais que um ou outro cliente possa vir de soluções offline, nem por isso é perdoável deixar de marcar presença na internet.

Por isso, indo a fundo em todas as tendências do consumidor atual, não apenas a preferência pelo universo online. Para isso, vamos salientar a importância de entender essas tendências, bem como seus conceitos principais.

Só depois de fazer esse mergulho mais teórico é possível entrar na prática, quando então abordaremos 4 dicas para seu negócio dominar esse assunto. 

Sem isso, o risco seria o de acabar caindo em abstrações, sem conseguir colocar o necessário em prática.

O mais bacana é que hoje essas dicas de análise de tendências evoluíram tanto, que realmente já é possível aplicá-las a qualquer segmento, seja na área de serviços como qualificação de desempenho, ou de venda de produtos mais populares, no varejo.

Sendo assim, se você deseja compreender a fundo de uma vez por todas as tendências que guiam seus consumidores, aprendendo como suas campanhas e ações de marketing podem impactá-los basta seguir adiante na leitura.

Os conceitos e a importância

Todo mundo sabe que trabalhar com pessoas é complicado, já que muitas vezes o ser humano pode ter comportamentos inesperados.

Contudo, isso só ocorre quando estamos analisando caso a caso, pois de modo geral as pessoas têm certa uniformidade comportamental. É aí que entra o marketing, como modo de entender esses traços universais e usá-los a seu favor.

Um exemplo é a famosa teoria das Gerações Y e Z, que faz um recorte das pessoas nascidas de meados das décadas de 1980 e 2000 para cá, respectivamente.

Conceitualmente, quando alguém buscava uma empresa de pisos antes desse período, o normal era a pessoa pedir indicações entre amigos e vizinhos, ou ser impactada por panfletos, outdoors e demais mídias tradicionais.

Hoje essas alternativas continuam existindo e até funcionam, sem dúvida. Contudo, também não há dúvida de que a maioria dos clientes em potencial simplesmente abrirá um motor de busca na internet e pesquisará pelo serviço nessa plataforma online.

Esse é um caso de mudança radical de tendência do consumidor, pautada por fatores culturais ligados à informática, à internet e à tecnologia como um todo.

Daí a importância de estar antenado com esse tipo de conceito e de estudo. Inclusive, desde que a revolução da internet começou, outras mudanças já se operaram dentro dela.

É como falar na mudança dentro da mudança, como os smartphones, que estão alterando ainda mais drasticamente o modo como as pessoas lidam com a internet. 

Bem como o modo de procurar produtos ou serviços e de lidar com as marcas.

1. Experiência do usuário

Um passo muito importante e interessante para começar a aplicar a noção de tendência do consumidor é o de UX (User Experience), que os EUA acabaram exportando para o mundo todo, e que já vem se disseminando há anos no Brasil.

A ideia de experiência do usuário nasceu em um campo mais restrito, especialmente no sentido de dispositivos e equipamentos com os quais os clientes vão travar um contato mais continuado, como no caso de um celular ou de um controle remoto.

Contudo, logo essa noção se universalizou e passou a ajudar estrategistas de todos os setores, especialmente a pensarem em como está a realidade do cliente enquanto usuário do seu produto, ou enquanto alguém que desfruta de um serviço prestado.

Afinal, quando a pessoa busca uma solução na área de escritórios compartilhados, a experiência que ela vai ter não se restringe apenas ao dia a dia, mas começa bem antes, no contato com o site, com o suporte por telefone e daí em diante.

Adiante aprofundaremos esse aspecto da jornada da compra como algo bem mais amplo do que se imagina normalmente. Mas, o que precisa ficar claro por enquanto, é que a Experiência do Usuário deve ser o norte de qualquer marca.

Se os decisores e os estrategistas deixam de ter essa ótica, logo a empresa começa a entrar no risco de perder para a concorrência e acabar ficando para trás, uma vez que o mercado é livre e a competitividade nunca foi tão alta quanto hoje.

2. A jornada da compra

É impossível falar sobre tendências do consumidor sem falar na jornada da compra, que na ótica da empresa deve ser vista como o próprio funil de vendas.

Afinal, uma experiência de compra perfeita só é possível quando cada cliente tem um contato positivo e unificado desde o começo. Esse é o grande ponto da relação da marca com seu público-alvo.

Assim, uma empresa de gesso pode listar as etapas essenciais dessa jornada ou funil, que costumam incluir os seguintes pontos:

  • As plataformas online;
  • O suporte no balcão;
  • O atendimento telefônico;
  • A relação de pré-venda;
  • Newsletters, mensagens e ligações;
  • As negociações e o fechamento;
  • O pós-venda e a fidelização.

Enfim, uma das maiores tendências do consumidor atual é a de buscar marcas e empresas que sejam capazes de replicar uma experiência coerente a cada nova compra.

Com isso, o cliente se acostuma com sua proposta e já sabe o que esperar de sua empresa, sem correr o risco de ter novidades desagradáveis.

3. Conhecendo o cliente

Até pouco tempo atrás, era muito comum falar em público-alvo. Na verdade, esse conceito continua sendo importante, porém ele é apenas o começo de um esforço muito maior.

Basicamente, o público-alvo consiste naquelas categorias de idade, gênero, profissão e poder aquisitivo, entre outros dados típicos de demografia e afins. 

Tudo isso indica as tendências do consumidor, mas já não são o suficiente. Atualmente, o mercado é tão complexo que é preciso ir muito além. 

Assim, se a empresa trabalha com projeto de sala comercial, precisa entender a fundo quais são os perfis da sua persona, isto é, os anseios e expectativas mais profundos.

Por exemplo, quais redes sociais essa pessoa mais acessa, o que ela faz nas horas vagas, como consome novidades e o que ama ou que odeia em uma marca?

O fato é que, no médio e longo prazo, ao criar esses perfis, as ações de marketing se tornarão muito mais assertivas perante as tendências do consumidor.

4. Buscando melhorias

Por fim, a marca só consegue comunicar-se com eficiência e garantir um crescimento sustentável quando ela passa a fazer isso de modo continuado, não apenas uma vez ou outra.

Por isso é fundamental buscar melhorias constantemente. Por exemplo, investir em ofertas e promoções, como Black Friday e outras iniciativas que estão sempre chamando atenção.

Melhorar o atendimento e fazer pesquisas de satisfação também podem ajudar muito, especialmente quando elas beneficiam o cliente de algum modo.

Como alguém que vende divisórias para escritório e oferece instalação gratuita para o cliente que responder um formulário no website da empresa.

O próprio site pode melhorar em termos de usabilidade, chatbots, newsletters e conteúdos novos e originais, com o máximo de frequência possível.

Considerações finais

Falar em tendências do consumidor equivale a tratar de um aspecto fundamental na relação de qualquer marca com seu público, bem como das suas projeções de futuro.

Para isso, é preciso dominar aspectos como a experiência do cliente, a jornada de compra, os perfis da persona e melhorias constantes no próprio negócio.

Com os conceitos básicos e os 4 conselhos práticos que trouxemos acima, fica bem mais fácil e mais seguro dar os passos certos na direção do sucesso, conforme as boas práticas que realmente podem garantir um crescimento no médio e longo prazo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.